n-o-v-o-h-e-r-o-i
Não desiste desse meu jeito todo bagunçado, do meu cabelo mal penteado. Não desiste das minhas babaquices, dos meus dramas e do quarto mal-arrumado. Não desiste pelas vezes que agi feito idiota, das palavras que eu não disse e dos sentimentos que eu não demonstrei. Não desiste do meu humor variável e dos meus defeitos exagerados. Não desiste de mim, não desiste da gente.
Pedro Pinheiro. (via n-o-v-o-h-e-r-o-i)
impromissor
“Alô, 190 qual é a sua emergência?”
Eu queria relatar a existência de uma bomba.
“Ok, se acalme e nos diga aonde está a bomba”
.
Eu sou a bomba! Eu sou o caos, essa destruição imensa vem daqui de dentro. Eu não tenho nenhum lugar para ir, nem pessoas pra quem ligar, eu sou a emergência, e não importa o que aconteça e estou sempre com a sensação de que vou estourar. E vou.
Ciceero M. (via impromissor)
cerejeiro
Se me calo, fico emburrado ou me encontro distante, não pense que é por falta de amor ou desejo. Às vezes, me sinto meio sem rumo num mundo tão hostil, complicado e descolorido. O pior remédio é você fazer o mesmo. Ignore minha apatia. Só peço que chegues e instale a beleza que me falta, venha sorridente, regue as flores na sacada, ative minha respiração, massageie meus ombros, tire minha roupa ou me abrace, simplesmente. Vai passar.
Gabito Nunes.    (via cerejeiro)